sábado, 23 de setembro de 2017

NOTÍCIA DA FOLHA DE PERNAMBUCO



COTIDIANO

Presídio no Recife onde detento foi morto teve 29 armas apreendidas em 2017

Balanço foi divulgado nesta sexta (22) pelo Sindicato dos Agentes Penitenciários, que denunciam falta de estrutura para evitar problema

Por: Mayara Pareja, do Portal FolhaPE em 22/09/17 às 14H44, atualizado em 22/09/17 às 15H46

facebooktwittergoogle pluswhatsapp

REPORTAR ERRO



Material apreendido pelos policiaisFoto: Divulgação

Vinte nove armas de fogo foram encontradas só este ano no Presídio Juiz Antônio Luiz Lins de Barros (Pjallb), que integra o Complexo do Curado, na Zona Oeste do Recife. O balanço foi divulgado nesta sexta-feira (22) pelo Sindicato dos Agentes Penitenciários de Pernambuco. Foi dentro desta unidade que um detento morreu após ser baleado na última quarta (20).

Procurado pela reportagem, o presidente do sindicato, João Carvalho, disse que pessoas costumam jogar materiais ilegais para dentro do presídio. "Meliantes jogam malotes e visitantes, armas por cima do muro. Muitas vezes, visitantes tentam entrar com elas por meio da visita. Como  existe o chaveiro nem efetivo suficiente no local para realizar as rondas, os reclusos se aproveitam da situação", disse. Veja abaixo vídeo enviado à reportagem, em maio deste ano, onde aparece um homem jogando objetos dentro do complexo.

Carvalho alertou ainda para a necessidade da convocação de concursados para trabalhar nos presídios. "O problema é que o Estado não convoca concursados suficientes para colocar efetivos dentro do Complexo do Curado. Então você fica com seis ou oito agentes na permanência, quando deveria ter 60", denunciou. Ele afirma que o Governo tem um acordo com o sindicato para preencher 200 vagas no Complexo, mas só fez concurso para 85.

Leia também
Nova revista em presídio apreende arma que pode ter sido usada em homicídio
Operação apreende armas e munição no Complexo do Curado
Detento é morto após ser baleado dentro do Complexo do Curado
Armas e cachaça artesanal são apreendidas no Complexo do Curado

A superlotação também é outra crítica da categoria, fato que gera um sentimento de insegurança entre os agentes penitenciários. O Pjallb, por exemplo, foi projetado para receber 901 presos, mas abrigava 2.977 até a última quarta-feira. "No último mês de agosto, dois agentes foram baleados. Da mesma forma que as armas podem tirar a vida dos presos, podem tirar a nossa", disse.



A Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres) confirmou o número apresentado pelo sindicato de armas apreendidas este ano no Pjallb. Em nota, a Seres disse que tem reforçado as revistas nas unidades prisionais em todo o estado e colocado alambrados no Complexo do Curado para aumentar a altura do muro em seis metros, além de instalar telas de proteção. O órgão também informou que houve reforço na segurança prisional em Pernambuco com a instalação de 22 portais detectores de metais, seis sistemas de inspeção de bagagens por raio x e 33 banquetas de inspeção.

Apreensão

O SINDASP PE informou a imprensa sobre apreensões feito no entorno do complexo pela Polícia Militar. A imprensa investigou e confirmou.

Na última quinta (21), policiais militares do Batalhão de Guardas, apreenderam 800g de maconha prensada com uma mulher de 27 anos, ao redor do Complexo Prisional do Curado, localizado no bairro do Sancho, Região Metropolitana do Recife (RMR). A acusada afirmou que repassaria a droga para outro suspeito de 21 anos.

O homem foi detido pelos policiais posteriormente, portando pequena quantidade de maconha na mesma localidade. A mulher, o homem e o material foram encaminhados para a Central de Plantões da Capital, onde foram autuados em flagrante delito por tráfico de entorpecentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário