domingo, 31 de julho de 2016

CONVÊNIO PLANO UNILIFE: DEPENDENTES PODEM FAZER PLANOS SEPERADOS DO TITULAR

SINDASP-PE CONSEGUE NO CONVÊNIO QUE SEJA FEITO SEPARADAMENTE O PLANO UNILIFE SÓ PARA OS DEPENDENTES DOS FILIADOS

Diretoria do Sindasp-PE e representante da Unilife/Saúde

A Diretoria do Sindasp-PE anuncia que firmou o convênio com o Plano Empresarial Unilife. 

O Convênio realizado agracia preços excelentes e que está menor no mercado em relação a outros planos e até com o próprio plano unilife.

Nesta terça-feira (05/07/2016), conseguimos a extensão que os dependentes dos filiados poderão realizar o plano de saúde, sem que seja feito para o titular, ou seja, separadamente.


Plano para:

os Associados  e

dependentes (cônjuges e filhos);


DOCUMENTAÇÃO:  

-RG, CPF, contracheque , carteira sindical  e comprovante de residência (associado);

-RG, CPF, Certidão de Casamento ou União Estável (Cônjuge);

-Certidão de Nascimento  (filhos)  ou RG e CPF se maiores;

O Plano de Saúde  tem credenciamento na Região Metropolitana do Recife e agora no interior.

Consulte a Rede Credenciada na Capital, Vitória de Santo Antão, Belo Jardim, Caruaru e Petrolina



LIGUE: 

CONTATO
                   
                   Arnaldo Cunha      -      Consultor em Seguros

                           87331937       -        96104204

TABELA



sábado, 30 de julho de 2016

SAIBA O DIREITO AO PORTE DE ARMA DE FOGO


O Sindicato vem esclarecer que no Estado de Pernambuco o Agente Penitenciário está amparado no cumprimento de todos os requisitos exigidos e que estão previstos na lei nº 10.826 (Estatuto do desarmamento). A lei prevê exigências e cumprimentos que devem ser seguidos para o uso do porte de arma dentro e fora do serviço, com a arma da corporação ou de uso particular.

O Agente Penitenciário em Pernambuco tem todos os requisitos exigidos no seu cargo, como: a dedicação exclusiva (Lei n º 11.997/2001), sujeitos a formação funcional (art.10 Lei Complementar nº 150/2009) e subordinados a mecanismos de fiscalização (Lei Complementar nº 106/2007). Estes requsitos serão todos demonstrados a seguir.

O estatuto do desarmanento prevê que algumas categorias operadores de segurança pública tem o direito ao porte nacional (art.6 Lei nº 10.826/2003), desde que cumpram alguns requisitos. No caso, do agente penitenciário está devidamente definido quais os requisitos exigidos, tanto para compra de arma particular ou uso de arma institucional.

Os agentes Penitenciários devem saber que existem dois tipos de uso de arma de fogo, como:

  • Uso permitido, armas de uso controlado pela Polícia Federal, ou seja, SINARM;
  • Uso restrito, armas de uso controlado pelo Exército, ou seja, Sigma.

No caso para compra de arma particular, ocorre as previsões nos artigos 4º, que definem e deve seguir tais requisitos.
O inciso III do art. 4º também é um requisito para uso de arma institucional.





I - comprovação de idoneidade, com a apresentação de certidões negativas de antecedentes criminais fornecidas pela Justiça Federal, Estadual, Militar e Eleitoral e de não estar respondendo a inquérito policial ou a processo criminal, que poderão ser fornecidas por meios eletrônicos;
II – apresentação de documento comprobatório de ocupação lícita e de residência certa;
III – comprovação de capacidade técnica e de aptidão psicológica para o manuseio de arma de fogo, atestadas na forma disposta no regulamento desta Lei.”

grifos nossos”



Muitos agentes penitenciários ficam em dúvida se arma de fogo é pode ser usada em todo território nacional. A resposta que para o caso de Pernambuco a resposta é sim. Pois o art. 6º da lei n º 10.826/2003, faz tal previsão, desde que se cumpra os requisitos exigidos (art.4º e 6º,§ 1º-B). Acontece que alguns Estados não regulamentaram, aí os servidores daqueles Estados não cumprem os requisitos exigidos e não podem usar tal armamento. Criando problemas culturais de entendimento de direito ao porte.

Aqueles Estados que não regulamentaram o uso de arma institucional ou para compra de arma particular de uso restrito, fazem com que servidores tenham problemas de uso de armas de fogo.

Porém, no Estado de Pernambuco diante do trabalho do Sindicato conseguiu-se resolver tal situação, amparando os agentes penitenciários ao uso do Porte nacional. Tanto de uso particular ou de uso Institucional, caso esteja acautelados.

A lei abaixo concedeu o uso de porte de arma de fogo fora de serviço, porém devem ser cumpridas os requisitos previsto no art. 6º, § 1º -B, conforme previsão abaixo:



Altera a Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003, para conceder porte de arma funcional.

Art. 1º O art. 6º da Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003, passa a vigorar acrescido dos seguintes §§ 1º-B e 1º-C:

"DO PORTE

Art. 6º É proibido o porte de arma de fogo em todo o território nacional, salvo para os casos previstos em legislação própria e para:


VII – os integrantes do quadro efetivo dos agentes e guardas prisionais, os integrantes das escoltas de presos e as guardas portuárias;

§ 1º-B. Os integrantes do quadro efetivo de agentes e guardas prisionais poderão portar arma de fogo de propriedade particular ou fornecida pela respectiva corporação ou instituição, mesmo fora de serviço, desde que estejam:

I - submetidos a regime de dedicação exclusiva; (Em Pernambuco previsto está no art. 4º da Lei nº 11.997, de 21 de maio de 2001)
II - sujeitos à formação funcional, nos termos do regulamento; e (Em Pernambuco está previsto no art. 10 da Lei Complementar nº 150, de 15 de dezembro de 2009 e Portaria SERES nº 492, de 13 de abril de 2015)

III - subordinados a mecanismos de fiscalização e de controle interno. (Em Pernambuco está previsto no art. 7º, § 8º da Lei Complementar nº 106, 20 de Dezembro de 2007 e Portaria SERES nº 1257, de 23 de setembro de 2015)
§ 1º-C. (VETADO).”

(grifos nossos)


O Sindicato preocupado com a segurança jurídica da categoria, conseguiu em negociação que fosse regulamentado em nível Estadual, o direito ao uso de arma de fogo fora do serviço, foi criado o decreto nº 42.065, de 25 de agosto de 2015, onde no seu art. 3º, inciso I e II. Sabe-se que a carteira funcional é um dos instrumentos para o porte nacional e tem tal previsão no inciso I e o porte fora de serviço está previsto no inciso II. A lei Federal n 10.826/2003, no seu art. 6º , inciso VII concedeu o porte de arma de fogo a nível nacional. Sendo assim, como os Agentes Penitenciários de Pernambuco cumprem tais requisitos tem assim o direito ao porte em todo território nacional.


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

DECRETO Nº 42.065, DE 25 DE AGOSTO DE 2015.

Art. 3° Ficam assegurados aos ocupantes do cargo público de Agente de Segurança Penitenciária, na forma do art. 11 da Lei Complementar nº 150, de 2009, dentre outras eventualmente previstas em legislações específicas, as seguintes prerrogativas institucionais:

I - portar documento de identidade funcional, com validade em todo território nacional, padronizado nos termos e condições legalmente definidos;

II - portar arma de fogo em serviço, ou fora dele, nos termos da Lei Federal nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003; e

III - ser recolhido em dependência distinta do mesmo estabelecimento, à disposição da autoridade competente, até o trânsito em julgado de sentença condenatória e, em qualquer situação, separado dos demais presos, na forma prevista no Código de Processo Penal.”


--------------------------------------------------------------------------------


A Secretaria regulamentou o porte e a posse do uso de arma de fogo. A Secretaria Executiva está amparada no art. 34 do decreto nº 5123, de 1º de julho de 2004, que dá poderes as instituições conforme previsto. Tal decreto regulamenta a Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003, que dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição.

Abaixo é a previsão na regulamentação do estatuto do desarmamento para o uso

Decreto nº 5123, de 1º de julho de 2004

Art. 34. Os órgãos, instituições e corporações mencionados nos incisos I, II, III, V, VI, VII e X do caput do art. 6º da Lei nº 10.826, de 2003, estabelecerão, em normativos internos, os procedimentos relativos às condições para a utilização das armas de fogo de sua propriedade, ainda que fora do serviço

§ 1o As instituições mencionadas no inciso IV do art. 6O da Lei no 10.826, de 2003, estabelecerão em normas próprias os procedimentos relativos às condições para a utilização, em serviço, das armas de fogo de sua propriedade.

§ 2o As instituições, órgãos e corporações nos procedimentos descritos no caput, disciplinarão as normas gerais de uso de arma de fogo de sua propriedade, fora do serviço, quando se tratar de locais onde haja aglomeração de pessoas, em virtude de evento de qualquer natureza, tais como no interior de igrejas, escolas, estádios desportivos, clubes, públicos e privados.

§ 3o Os órgãos e instituições que tenham os portes de arma de seus agentes públicos ou políticos estabelecidos em lei própria, na forma do caput do art. 6º da Lei no 10.826, de 2003, deverão encaminhar à Polícia Federal a relação dos autorizados a portar arma de fogo, observando-se, no que couber, o disposto no art. 26.


§ 4o Não será concedida a autorização para o porte de arma de fogo de que trata o art. 22 a integrantes de órgãos, instituições e corporações não autorizados a portar arma de fogo fora de serviço, exceto se comprovarem o risco à sua integridade física, observando-se o disposto no art. 11 da Lei no 10.826, de 2003.”

------------------------------------------------------------------------------------------------


A Secretaria Executiva de Ressocialização regulamentou o uso de armas institucionais tanto fora de serviço, como em serviço, conforme abaixo:

PORTARIA SERES nº 1257, de 23 de setembro de 2015


O Secretário Executivo de Ressocialização, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Decreto nº 30.964, de 31.10.2007, Capítulo VIII, art. 10, item I, c/c os art. 1º e 4º da Portaria SERES nº 365/2004, de 28.09.2004, e

Considerando que os integrantes do quadro efetivo de agentes e guardas prisionais poderão portar arma de fogo de propriedade particular ou fornecida pela respectiva corporação ou instituição, mesmo fora de serviço, “






ARMA DE USO RESTRITO É CONTROLADA PELO EXÉRCITO

A autorização para importação e registro de arma de fogo de uso restrito é exclusiva do Exército, nos termos do § único do artigo 3º do Estatuto em consonância com o Artigo 18 e 51 do Decreto nº 5.123/04 (Regulamento da Lei nº 10.826/03), sendo que os dados referentes a essas armas devem obrigatoriamente ser cadastrados no SIGMA(Sistema de Gerenciamento Militar de Armas).

A autorização para utilização de arma de uso restrito é privativa do Exército (Art. 27 da Lei nº 10.826/03), sendo que toda legislação infraconstitucional deve obrigatoriamente estar adstrita ao preceito do Artigo 21 Inciso VI da Constituição Federal, que estabelece competência privativa da União em relação à autorização e fiscalização de material bélico.

As definições dos produtos controlados, forma de fiscalização e regulamentação está disciplinada no Decreto 3.665/2000 (Regulamento de Produtos Controlados R-105), sendo que o Inciso XVIII do Artigo 3º estabelece que as armas de uso restrito são privativas das Forças Armadas e estabelece que somente o Exército pode autorizar esse tipo de armamento para algumas instituições de segurança e pessoas habilitadas."

Acontece que a Portaria nº 1286, de 21 de outubro de 2014, do Comandante do Exército colocou no seu artigo 2º que fosse criado normas reguladoras para a aquisição de arma de uso restrito, onde posteriormente o Exército, no ano de 2015 publicou a Portaria nº 16- COLOG.


A PORTARIA No 16 - COLOG, DE 31 DE MARÇO DE 2015, apesar de concisa, disciplina amplamente o porte do Agente de Segurança Penitenciária na ativa, dentro do que é permitido, sem a restrição de calibre, portanto, permitido o porte de arma de uso restrito, se exigindo tão somente a habilitação técnica do agente para o manuseio da arma que portar, conforme se segue:

Art. 2o Os integrantes do quadro efetivo de agentes e guardas prisionais poderão adquirir, para uso particular, 1 (uma) arma deporte, de uso restrito, dentre os calibres .357 Magnum, .40 S&W ou .45 ACP, em qualquer modelo, na indústria nacional ou por transferência."


O sindicato para assegurar negociou com o Governo do Estado, que fosse criado a regulamentação da emissão de certidões de avaliação psicológica e curso de tiro, pois é um dos requisitos esta regularamentação. Sendo assim, foi publicada a Portaria Seres nº 492/2015.







 Portaria Seres nº 492/2015 (Previsão para emissão de certidões para capacitação técnica).




CARTEIRA FUNCIONAL DO AGENTE PENITENCIÁRIO DE PERNAMBUCO

A Portaria GAB/ SERES Nº 344, de 15 de setembro de 2004, dá o direito ao acesso em locais públicos no uso de suas atribuições e prerrogativas legais, entre as quais o porte de arma de fogo, conforme previsão no art. 34, do decreto nº 5123/2004.

"Decreto nº 5123/2004

 Art. 34.  Os órgãos, instituições e corporações mencionados nos incisos I, II, III, V, VI, VII e X do caput do art. 6º da Lei nº 10.826, de 2003, estabelecerão, em normativos internos, os procedimentos relativos às condições para a utilização das armas de fogo de sua propriedade, ainda que fora do serviço.

  § 2o  As instituições, órgãos e corporações nos procedimentos descritos no caput, disciplinarão as normas gerais de uso de arma de fogo de sua propriedade, fora do serviço, quando se tratar de locais onde haja aglomeração de pessoas, em virtude de evento de qualquer natureza, tais como no interior de igrejas, escolas, estádios desportivos, clubes, públicos e privados."

Sendo assim, a Secretaria regulamentou o acesso aos locais públicos, o direito ao uso de arma de fogo, mesmo fora de serviço, conforme Portaria SERES nº 1257/2014 (Regulamentação para portar arma de fogo de propriedade particular ou fornecida pela respectiva corporação ou instituição, mesmo fora de serviço)  e a Portaria GAB/SERES Nº 344/2004 (Carteira Funcional)





sexta-feira, 29 de julho de 2016

PRESIDENTE DO SINDASP-PE SOLICITOU A INTERDIÇÃO DA PENITENCIÁRIA JUIZ PLÁCIDO DE SOUZA- CARUARU

O Presidente do Sindasp-PE solicitou aos órgãos fiscalizadores, ao Ministério Público, a Interdição da Penitenciária Juiz Plácido de Souza pela total falta de condições de condições de trabalho e de Segurança, bem como pela superpopulação carcerária existente naquela unidade prisional. 

A unidade prisional com a rebelião piorou as condições. 

Tendo em vista, as condições atualmente existentes foi solicitado a interdição.

Foi encaminhado também um relatório contendo as péssimas condições existentes.










quinta-feira, 28 de julho de 2016

SINDASP-PE ATENDEU NESTA TERÇA-FEIRA (26 DE JULHO ) O PESSOAL COM PROCESSOS QUE ESTÃO ADQUIRINDO ARMA E MUNIÇÕES COM A EMPRESA TAURUS

O Sindicato informou que o atendimento, nesta segunda-feira, no dia 26 de julho e  só foi realizado para atendimento a filiados. Nesta terça-feira ocorreu o atendimento para aqueles filiados que estão realizando o processo de compra de armas taurus e munições da CBC.


Tendo em vista, o grande número de pessoas foi controlado acesso pela ordem de chegada, com preferência no atendimento aos filiados. 





DIRETORIA DO SINDASP-PE VISITA A PENITENCIÁRIA DR. ÊNIO PESSOA GUERRA EM LIMOEIRO ONDE PARTICIPA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO PROJETO TODOS PELA SERES

O Sindicato está participando através de sugestões e colaborando na formação do planejamento estratégico da Secretaria Executiva de Ressocialização, que foi criado "Projeto Todos pela SERES".

   Vice-Pesidente Márcia e Agentes Aldemir, Jô, Leônidas, Edvaldo, 
Diretor do Sindasp Joaquim e o Agente Edésio

Está sendo realizado visitas em todas Unidades Prisionais do Estado, com o intuito de ser realizado um relatório e um raio x das deficiências e necessidades do Sistema Penitenciário.

Nesta quarta-feira (27.07.2016), visitou o Penitenciária Dr. Ênio Pessoa Guerra, no município de Limoeiro -PE.

Sindasp-PE defende Agente Penitenciário que fez ser seu direito reconhecido a entrar e a portar arma no Banco Bradesco



Na entrada do agente penitenciário Cristovão  no Banco Bradesco da rua da concórdia nesta quarta-feira (27.07.2016), ocorreu um constrangimento. O  funcionário do Banco Bradesco barrou na entrada e relatou ao agente que o mesmo na tinha direito a porta arma de fogo dentro daquela repartição.

Diante do caso, o agente penitenciário Cristovão entrou em contato com o sindicato.

Ao receber a informação  o Presidente João Carvalho, que encontra-se em férias disponibilizou-se e compareceu ao Banco.

Na mesma hora, o Presidente também convocou o advogado para caso. A convocação seria para amparar o associado caso precisasse realizar alguma ocorrência.

O Presidente João Cavalho levou a documentação ao local, que comprova o direito ao porte fora de serviço e defendeu o direito argumentando.

Toda documentação foi entregue ao gerente e advogado do banco.

Diante do fato, foi mostrado  documentos e com as argumentações aos referidos,  gerente e  advogado do banco, que não tiveram outro jeito e reconheceram o direito do agente penitenciário a adentrar armado ao banco Bradesco.

O agente penitenciário não quis levar o caso à delegacia para autuar o funcionário do banco, pois teve seu direito finalmente reconhecido.

O Presidente João Carvalho ainda disponibilizou o jurídico para o ingresso de uma ação judicial. O agente penitenciário vai entrar com uma ação por dano por constrangimento.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

PRESIDENTE DO SINDASP-PE JOÃO CARVALHO NO BOM DIA BRASIL: FALA DA FALTA DE EFETIVO


NOTÍCIA DO G1


26/07/2016 18h12 - Atualizado em 26/07/2016 18h12

Medidas após rebeliões no presídio de Caruaru, PE

Convivência na penitenciária era pacífica, afirmou o secretário Pedro Eurico. 
Duas rebeliões foram registradas e seis pessoas morreram no sábado (23).

Do G1 Caruaru
Após as duas rebeliões na Penitenciária Juiz Plácido de Souza em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, anunciou medidas para a unidade. Em entrevista à TV Asa Branca nesta terça-feira (26), ele disse que um processo de licitação está aberto para a compra de bloqueadores de sinal de celular.

Ele disse que o presídio de Caruaru ainda tem sinal de celular. "A tecnologia anda na frente do processo licitatório. Todos os dias temos celulares novos", afirmou Pedro Eurico. Sobre a análise dos processos, 20 advogados foram contratados, conforme o secretários, para auxiliar no mutirão e agilizar a reavaliação das penas dos detentos.

O secretário detalhou que um concurso para agentes penitenciários está aberto e oferta - na primeira etapa - 200 vagas que devem ser preenchidas até o final do ano. Segundo ele, esta foi uma revindicação do Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sindasp). Pedro Eurico explicou que uma nova função entrará em vigor a figura do assistente ressocializador, que dará apoio ao agente penitenciário.


Sobre o incêndio na penitenciária, o secretário disse que "os danos não foram tão graves e foi comprometida a parte de limpeza e banheiros". De acordo com Pedro Eurico, as áreas de cozinha, enfermaria, escola e administração não foram afetadas. Ele explicou que há equipes de engenheiros, arquitetos e técnicos de edificações para analisar os danos na unidade.


Para Pedro Eurico, a convivência dos presos antes das rebeliões era "pacífica". "Infelizmente essa cadeia se rompeu. Rompeu-se porque chegaram alguns querendo praticar violência, praticar extorsão e cobrança ilegal de serviços", explicou.


Superlotação
O presidente do Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária, João Carvalho, disse que o presídio tinha 1.542 presos acima da capacidade. Em entrevista à TV Asa Branca, ele afirmou que havia 1.922 detentos na unidade, que tem capacidade para abrigar 380.


Segundo ele, além da superlotação, outro problema do presídio em Caruaru é a presença dos "chaveiros". Ele explicou que os chaveiros (presos que cuidam de celas e ficam com as chaves de alguns setores) dificultam o trabalho dos agentes penitenciários.

terça-feira, 26 de julho de 2016

NOTÍCIAS DO G1 : Rebelião deixa mais 10 feridos no Presídio de Caruaru, confirma Seres


Do G1 Caruaru
Equipes da PM, Samu e Corpo de Bombeiros estão na Penitenciária Juiz Plácido de Souza (Foto: Anderson Melo/TV Asa Branca)Equipes da PM, Samu e Corpo de Bombeiros estão na Penitenciária Juiz Plácido de Souza (Foto: Anderson Melo/TV Asa Branca)
Pelo menos 10 detentos ficaram feridos na rebelião que teve início às 7h desta segunda-feira (25) na Penitenciária Juiz Plácido de Souza, em Caruaru, Agreste de Pernambuco - segundo a Secretaria de R. Ao G1, o comandante do 4º Batalhão de Polícia Militar, o tenente-coronel Roberto Galindo, informou que há fogo no local. "Os presos estão rebelados. Nada foi controlado ainda", disse. No sábado (23) ocorreu uma rebelião na mesma penitenciária - que terminou com seis mortos e 11 feridos.


De acordo com o Corpo de Bombeiros, quatro detentos foram socorridos. Dois deles foram levados pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para unidade de saúde ainda não informada. A reportagem da TV Asa Branca está no local e confirma ao menos sete presidiários atendidos pelo Samu até às 9h.

Segundo informações da Polícia Militar, equipes da PM, do Corpo de Bombeiros e ambulâncias Samu ainda estão no local. Ainda não há informações sobre novas mortes na unidade prisional, conforme informou a polícia.'

Superlotação

O presidente do Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária, João Carvalho, disse que o presídio tinha 1.542 presos acima da capacidade. Em entrevista à TV Asa Branca, ele afirmou que havia 1.922 detentos na unidade, que tem capacidade para abrigar 380.

"Tem seis ou sete [agentes penitenciários] quando era para ter 80", explicou o presidente do sindicato. Ele detalhou que os agentes se sentem prejudicados "pelas condições mínimas de trabalhar em uma unidade com uma superpopulação carcerária".

Superlotação


O presidente do Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária, João Carvalho, disse que o presídio tinha 1.542 presos acima da capacidade. Em entrevista à TV Asa Branca, ele afirmou que havia 1.922 detentos na unidade, que tem capacidade para abrigar 380.

"Tem seis ou sete [agentes penitenciários] quando era para ter 80", explicou o presidente do sindicato. Ele detalhou que os agentes se sentem prejudicados "pelas condições mínimas de trabalhar em uma unidade com uma superpopulação carcerária".

fonte: