terça-feira, 11 de agosto de 2009

ASSUNTO PRA DIVULGAR!!!

ASSUNTO PRA DIVULGAR!!!

Adielton Souza de Freitas 10 de agosto de 2009 15:24

CARO COLEGAS,
ESTOU ENVIANDO A REPORTAGEM PARA DIVULGAR ENTRE OS DEMAIS COLEGAS E TAMBÉM, PUBLICAR NO SITE DA ASSOCIAÇÃO....

Improviso com agentes temporários eleva riscos em cadeia do Paraná CURITIBA - Eles não são policiais civis, não são protegidos por entidades de classe, não recebem gratificações nem assistência à saúde e não podem trabalhar armados, mas fazem os mesmos trabalhos de um policial de carreira nas cadeias do Paraná. São os 330 auxiliares de carceragem, contratados a partir de 2006 em caráter temporário pelo governo estadual para atender os presos provisórios e ao mesmo tempo liberar policiais para a investigação de crimes. Para entrar na profissão, basta ter o ensino médio. Portanto, a maioria desses agentes não tem experiência nem conhecimento teórico sobre o sistema prisional.

O auxiliar de carceragem Mário Sérgio Machado Júnior, que trabalha na cadeia pública de Sarandi, na região norte do Paraná, foi contratado no segundo semestre de 2006 e, com dois meses de trabalho, virou refém numa rebelião.

- Fiquei cinco horas em poder dos presos - conta.
Ele estava passando pacotes de compras para os presos quando se tornou refém de 210 detentos.
- Hoje, vejo que a rebelião foi um aprendizado para mim - diz.
Filho de investigador de polícia, ele pretende seguir a carreira policial se houver concurso, afirmando que gosta do que faz.

O último processo seletivo de contratação de auxiliares de carceragem ocorreu no mês passado. O período de contrato é de um ano, renovável por mais um. Dos 330 agentes, 200 já trabalhavam e 130 foram convocados em julho. Desses, 82 já estão na ativa e 48 serão chamados nesta semana. Segundo a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp), o formato de contratação vai continuar. O auxiliar Emanuel Carlos Portela, que trabalha no presídio de Ponta Grossa, concorda com Machado Júnior.
- Eu estou aqui porque gosto muito, apesar de todas as dificuldades e da minha família não apoiar minha decisão - diz.
Ele reclama, porém, das condições de trabalho. A cadeia, que tem capacidade para 172 presos, abriga 415 e conta com apenas seis auxiliares de carceragem em regime de escala, que ainda precisam de três investigadores de polícia para dar conta do trabalho.
- Eles ajudam muito porque cuidam dos presos e dão um apoio nas escoltas externas - afirma o diretor da unidade, Elter Garcia.

Somente em julho, uma fuga e uma tentativa foram registradas em escoltas feitas com a participação de auxiliares. Em Ponta Grossa, um auxiliar acompanhava um investigador na escolta de um preso até o médico quando ele escapou na frente do hospital. Em Guarapuava, um auxiliar que levava sozinho um detento até o fórum não conseguiu evitar que ele fugisse do camburão. O agente estava armado, apesar da proibição, e disparou tiros em direção ao detento. Um dos disparos quase atingiu um policial civil que estava no local e conseguiu deter o foragido.

O Ministério Público chegou a pedir a instauração de um inquérito na delegacia sobre a tentativa de fuga. Segundo a Secretaria Estadual de Segurança Pública, o auxiliar pediu exoneração e a arma foi recolhida. Um policial civil, que prefere não se identificar, critica a contratação de auxiliares de carceragem. Para ele, a falta de treinamento dos agentes é um risco à segurança pública. O policial vai ainda mais longe e acredita que as fugas registradas nas cadeias públicas estão relacionadas aos auxiliares.
- Estes carcereiros estão recolhendo drogas, bebidas, armas, ferramentas para fuga, além de celulares, sendo que com os celulares os presos estão gerenciando crimes fora da carceragem - acusa o policial.
- Não existe o comprometimento dos chamados 'auxiliares' com a polícia, pois eles não têm vínculo com o estado e, como o contrato é temporário, eles não resistem à tentação, pois eu como policial já recebi várias ofertas de detentos que oferecem dinheiro para recolher esses objetos de que falei. Então, o que esperar destes 'auxiliares', que não têm nenhum comprometimento com a polícia? - questiona o policial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário